topo.php
Janeiro de 2019 - Nº 22    ISSN 1982-7733
Aqui você é o repórter
Dicas para escrever
Carta ao leitor-Eleições
Fale conosco
Arquivo JJ
Todas as edições do JJ
Especial Artes
Arte - Brasil séc. XX
Galeria virtual
Seção Livre
Palavra aberta
HQ e charge
Poesia
Crônica
Participe da enquete
International
Presentation
Open section
Contact us
Acompanhe
Livros e CDs
Escola
Como participar
 
 

Diariamente os jornais e as revistas, bem como os sites noticiosos, recebem informações das mais variadas fontes. Agências, instituições públicas e privadas, pessoas e a própria mídia alimentam as empresas jornalísticas com infinitas possibilidades de notícia. Mas a informação não pode ser passada da forma como é recebida por essas fontes, ela precisa ser apurada e aprofundada. A reportagem corresponde, pois, exatamente a esse trabalho de apuração e aprofundamento dos fatos.
No entanto, valem aqui algumas ressalvas. Ser jornalista é mais que escrever e publicar bons textos ou entender as técnicas do trabalho de reportagem. É ter responsabilidade com o que se diz, com a maneira como os fatos são checados e, sobretudo, entender que a informação que é publicada interfere na vida e na felicidade das pessoas. Por isso o jornalista – ou pessoa que difunde informações – tem que trabalhar com muita responsabilidade e respeito pelo outro.
Enfim, espero que este material sirva como um treino preliminar para aqueles que ainda não chegaram a uma faculdade de jornalismo e, ao mesmo tempo, como um estímulo para aqueles que se interessam pela carreira.

Enio Moraes Júnior*
enio@jornaljovem.com.br
www.blogdoenio.blog-se.com.br


Parte 01

A pauta: o roteiro da reportagem

Pensar e elaborar uma boa pauta é o começo de qualquer boa reportagem jornalística. Ela é o guia, o roteiro, o briefing que vai orientar o repórter em seu trabalho. A pauta é a solicitação, por parte do pauteiro, do trabalho que ele deseja que o repórter execute.
Costumo dizer aos meus alunos que quando o trabalho de apuração da informação é feito por apenas uma pessoa, e não há as figuras do pauteiro, do repórter, do editor etc., mas todo trabalho é feito por apenas uma pessoa, ao em vez de pauta, podemos falar em um roteiro pessoal para o trabalho de reportagem.
Ao contrário do que se pensa, deve haver um cuidado muito grande na hora de preparar a pauta ou o roteiro de reportagem. Além de pensar bem o que se quer dizer no texto e a maneira como se quer falar, é preciso criatividade e estar bem informado sobre o assunto que se quer escrever.
Além disso, vale lembrar que a pauta ou o roteiro não devem ser uma camisa de força. Se, por um lado, o repórter deve segui-los com precisão, por outro, em alguns momentos, deve abandonar sua rigidez e apostar na sua sensibilidade, no seu ‘faro’.
Enfim, na hora de elaborar a pauta ou o roteiro da reportagem:

1. Deixe claro, no início da pauta, a retranca, ou seja, o assunto de que deverá tratar a reportagem.

2. Pesquise sobre o assunto: anote dados que você acha relevantes e que já estão disponíveis em algum lugar. Hoje em dia, além dos jornais, a internet e sites de busca como o Google e o Yahoo são boas fontes para essa primeira etapa do trabalho;

3. Em seguida, aponte os elementos a serem problematizados. Esclareça para o repórter – no caso de estar elaborando uma pauta – ou para você mesmo – em se tratando de um roteiro –, o que a matéria vai acrescentar às informações já disponíveis;

4. A seguir, indique fontes a serem ouvidas, ou seja; as pessoas que podem ser entrevistadas sobre o assunto. Sugira as possíveis perguntas a serem feitas pelo repórter e, por fim, anote nomes e, na medida do possível, e-mails e telefones das fontes. Neste ponto, lembre-se que nem sempre apenas as autoridades são ouvidas. Sugira também entrevistas com pessoas do povo, e aí nem sempre você precisa citar nomes;

5. Se você dispuser de equipamento fotográfico, não deixe de sugerir ou roteirizar fotos e imagens que devem, junto com o texto, ilustrar o trabalho;

6. No final, indique o número de laudas que o repórter tem para escrever. Isso é importante, pois é uma forma de garantir que não vai faltar nem sobrar texto. Uma lauda, para quem ainda não tem familiaridade com a linguagem jornalística, corresponde a um conjunto de 1400 (mil e quatrocentos) caracteres contados os espaços. Uma matéria jornalística de um tamanho razoável tem, em média, duas laudas.

Com as dicas acima, a sua pauta ou roteiro estão prontos e o seu repórter ou você estará mais habilitado a fazer o trabalho de campo: a reportagem. Veja no exemplo de pauta a seguir como podem ficar os seis tópicos de que falamos acima e depois tente elaborar a sua pauta. Sucesso!

Retranca (assunto): O voto do jovem

Corrupção, CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) quase que intermináveis, alguns deputados com mandatos cassados e muitos outros absolvidos contando, muitos vezes, com as benesses e os privilégios das amizades do meio político nacional. Este é mais ou menos o desolador quadro da política brasileira e, em meio a isso tudo, a população parece cada vez mais distante da vida e das decisões políticas.
Os jovens, muitos dos quais votam pela primeira vez em outubro deste ano, têm pouco interesse pela política e não sabem que critérios estabelecer para escolher seus candidatos. A idéia é fazer uma matéria sobre o assunto e discutir a questão do primeiro voto do jovem, um tema que interessa a muita gente em ano eleitoral. É importante conversar com conhecedores da política nacional.

Vamos conversar com o cientista político Bruno Konder Comparato, professor da Universidade de São Paulo, e saber dele:

• Por que a política brasileira passa por essa crise de credibilidade e interesse? O quadro sempre foi este ou agravou-se nos últimos anos?
• É importante o voto do jovem? Quais os critérios que ele deve estabelecer para escolher seus representantes nos espaços políticos nacionais?
• Como o jovem pode acompanhar mais de perto as decisões e cobrar mais dos políticos?

É válido conversar também com jovens, especialmente com aqueles que votam este ano pela primeira vez. Procurar saber:

• Eles acham que participam da vida e das decisões políticas do País? Por quê? Se participam, de que forma eles fazem isso?
• Quais os critérios que pretendem adotar para escolher seus representantes?

Temos no mínimo duas e no máximo três laudas para contar essa história. Vamos também fazer fotos de todos os entrevistados e também da fachada da sede do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TER / SP) para ilustrar a matéria.

Contato: Prof. Bruno Konder Comparato
Telefones: (11) AAAA-BBBB/ CCCC-DDDD
E-mail: ABCD@XXX.com.br
TSE: Rua Francisca Miquelina, 123 – Bela Vista

Enio Moraes Júnior*
enio@jornaljovem.com.br
www.blogdoenio.blog-se.com.br

* Enio Moraes Júnior é jornalista, mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e professor universitário em São Paulo.

- Parte 01 - A pauta: O roteiro da reportagem
Texto: Enio Moraes Júnior

- Parte 02 - A reportagem
Texto: Enio Moraes Júnior

 

 Copyright © 2005-2017 Jornal Jovem - Aqui você é o repórter. Todos os direitos reservados.