topo.php
Janeiro de 2019 - Nº 22    ISSN 1982-7733
ferias06.php
Aqui você é o repórter
Dicas para escrever
Carta ao leitor-Eleições
Fale conosco
Arquivo JJ
Todas as edições do JJ
Especial Artes
Arte - Brasil séc. XX
Galeria virtual
Seção Livre
Palavra aberta
HQ e charge
Poesia
Crônica
Participe da enquete
International
Presentation
Open section
Contact us
Acompanhe
Livros e CDs
Escola
Como participar
 
 
Paranapiacaba: lugar de onde se vê o mar

Ana Lucia Z. de Moraes, Alexsandra Alves Andrade, Adriana Conceição Andrade
Formadas em Turismo
UNIP Campus Chácara Santo Antonio II
São Paulo - capital


Nessas férias venha conhecer a Vila de Paranapiacaba “lugar de onde se vê o mar”, que fica no município de Santo André em São Paulo.

É um patrimônio tombado pelo CONDEPHAAT, uma Vila inglesa em meio à mata Atlântica. Sua arquitetura é característica, com casas da época que atualmente não podem ser reformadas somente restauradas.

Bem cedo e no anoitecer quando o tempo não está muito bom desce uma neblina muito densa sob a cidade, deixando-a misteriosa, fantástica e silenciosa. A neblina é tão forte que não dá para ver a replica do Big Bem que tem na velha estação. Funcionou durante muito tempo operando os trens que subiam e desciam a Serra do Mar. Há muito tempo parou de operar os trens turísticos. Agora na região só passam trens de carga que são operados pela MRS.

A Vila tem vários atrativos interessantes: a Igreja, onde tem um pequeno comércio dos habitantes do local, o Castelinho, que era a casa do chefe onde ele ficava observando os operários trabalharem na ferrovia, hoje é um museu, o Clube Lira-Serrano, onde eram realizadas todas as comemorações da cidade, além dos esportes de aventura que são realizados no local, trilhas que passam por belíssimas cachoeiras.

As trilhas são todas com guias que moram na região, a trilha mais barata custa R$ 5,00 e  não precisa de equipamento especial, mas a trilha de R$ 25,00 já precisa de mochila com um lanche porque é um caminho mais longo e mais perigoso.

Tem também um museu funicular mais velho e maior do mundo. Funicular é um antigo sistema feito com cabos de aço para movimentar os trens que transitavam no local. Uma grande roda ficava presa aqui na vila e a outra em Cubatão, enquanto um cabo descia o outro subia e assim os trens podiam se locomover. A Vila de Paranapiacaba possui o trecho mais íngreme feito com este material.

Depois desse sistema veio a cremalheira. Nos trilhos tem um terceiro bem no meio com dentes e embaixo do trem também são colocados dentes, quando o trem se locomove os dentes vão se encaixando uns nos outros e fazendo com que o trem se locomova. Esse sistema é utilizado no trem do Corcovado no Rio de janeiro. Hoje em Paranapiacaba só passam trens a Diesel.

Você também pode tirar uma foto com roupas da época num local que não é cenário. O preço das fotos varia entre R$ 10,00 a R$ 60,00.

No mês de Julho tem o Festival de Inverno, com vários shows e atrações, além da gastronomia variada.

Em julho deste ano (2006) foi inaugurado um passeio de Maria Fumaça na cidade, o passeio custa R$ 5,00, estudante paga meia. É um passeio pequeno, mas você consegue viajar no tempo.

Toda a Vila tem sinalização turística, tanto nos restaurantes como nas trilhas, só não tem sinalização para chegar até lá de carro.

Em frente ao bar da Zilda, que é o mais antigo e conhecido fica o centro de informações turísticas.

Atualmente não se chega de trem na Vila ferroviária. Os caminhos são: carro, via Anchieta, entrando no trecho onde tem a bifurcação para o Riacho Grande, no final desta estrada está a vila ou de trem urbano e ônibus: na Estação da Luz pegar o trem sentido Rio Grande da Serra, descer na última estação que é Rio Grande e pegar o ônibus que vai até a Vila (este ônibus demora).

A melhor opção é ir de trem urbano e ônibus, porque não tem sinalização na estrada para a entrada correta até a Vila.

Não perca este passeio, faça uma viagem no tempo e ao mesmo tempo aproveite o que a natureza tem de melhor.

Proteja o meio ambiente. Respeite os animais.

FÉRIAS
 
 Copyright © 2005-2017 Jornal Jovem - Aqui você é o repórter. Todos os direitos reservados.