topo.php
Dezembro de 2018 - Nº 22    ISSN 1982-7733
jovem166.php
Aqui você é o repórter
Dicas para escrever
Carta ao leitor-Eleições
Fale conosco
Arquivo JJ
Todas as edições do JJ
Especial Artes
Arte - Brasil séc. XX
Galeria virtual
Seção Livre
Palavra aberta
HQ e charge
Poesia
Crônica
Participe da enquete
International
Presentation
Open section
Contact us
Acompanhe
Livros e CDs
Escola
Como participar
 
 

Bullying: Uma brincadeira sem limites

Por: Aline Schiavelli, Lilian Mei e Raquel Santori

Alunas da Etec de Vila Formosa

São Paulo - capital

No último dia 5 de março, a Etec de Vila Formosa proporcionou aos pais de alunos uma palestra sobre Bullying, ministrada pela psicanalista Sônia Makaron, que esclareceu melhor aos mesmos como identificar e ajudar seus filhos caso eles estejam envolvidos nesse meio, tanto como agressor quanto vítima.

O Bullying se caracteriza por atos de agressão física ou psicológica de caráter intencional e repetitivo em que o agressor ao tentar esconder seus defeitos aponta ou cria defeitos numa pessoa que não seja forte o bastante para reagir. Para que isso ocorra o agressor precisa ter apoio de outras pessoas, os chamados espectadores, que ao apoiarem o incentivam, fazendo com que se sinta "poderoso".

A vítima por ser tão humilhada não consegue se abrir, sente-se isolada e desprotegida, tornando-se três vezes vítima: do agressor, do grupo e de si mesma. Em casos mais graves de sofrimento, a vítima entra numa espiral mortífera, criando fantasias e pensamentos doentios de autodestruição.

Este mal também tem evoluído com a tecnologia se transformando no Cyberbullying, que é a prática de bullie por meios virtuais (internet, celular etc), estes por serem meios tão conhecidos e usados conseguem atingir um número maior de pessoas.

O Bullying apesar de ser um nome da atualidade sempre aconteceu, a diferença é que agora as pessoas estão dando uma maior atenção ao assunto. Uma solução para o bullying é encará-lo como algo tão grave quanto o uso de drogas e incentivar profissionais, assim como o fazem com os palestrantes que tratam sobre drogas e sexo seguro, a discutirem e palestrar sobre o bullying para conscientizar e ajudar as pessoas a identificar tais agressões.

Em entrevistas com os pais podemos perceber que os que ali estavam eram pessoas realmente preocupadas com seus filhos e que levavam o assunto Bullying muito a sério, pessoas que de alguma forma já conversaram com seus filhos procurando prepará-los e orientá-los contra esse mal.

   

Envie esta notícia para um amigo

 

 

 

 

 

 

 

CONFIRA
ENTREVISTA
VISITE
 
 Copyright © 2005-2017 Jornal Jovem - Aqui você é o repórter. Todos os direitos reservados.