topo.php
Dezembro de 2018 - Nº 22    ISSN 1982-7733
jovem51.php
Aqui você é o repórter
Dicas para escrever
Carta ao leitor-Eleições
Fale conosco
Arquivo JJ
Todas as edições do JJ
Especial Artes
Arte - Brasil séc. XX
Galeria virtual
Seção Livre
Palavra aberta
HQ e charge
Poesia
Crônica
Participe da enquete
International
Presentation
Open section
Contact us
Acompanhe
Livros e CDs
Escola
Como participar
 
 
Tomie Ohtake fala sobre arte e modernidade

Sônia Makaron

Tomie Ohtake , Sem Título

 

Tomie Ohtake, considerada a “dama das artes plásticas brasileiras”, nasceu no Japão (Kioto/1913), veio ao Brasil em 1934 mas só começa a pintar aos 40 anos de idade. Os anos 60, já naturalizada brasileira, foram decisivos para a sua maturação como pintora originária da abstração informal. O domínio da esfera técnica de seu trabalho foi então confluindo com sua personalidade, passando a servi-la plenamente. Ela concedeu essa entrevista para o Jornal Jovem onde fala da arte como impulsionadora de movimentos pessoais e sociais. Confira!

 

Jornal Jovem -  Nós sabemos que a arte tem, por uma de suas metas, refletir o contexto social de sua época. Como ela se caracteriza nos tempos atuais e o que estaria refletindo sobre o mundo em que vivemos?

Tomie - Quem fala sobre esta relação são os críticos e historiadores de arte, pois os artistas fazem arte e a sua intuição pode levar a arte estar atrás ou na frente do contexto social. Mas em geral a arte inovadora está à frente.

Jornal Jovem - A arte pode funcionar como uma válvula de escape para manter uma maior equilíbrio emocional tanto daqueles que a "consomem" quanto dos que a produzem? Como?

Tomie - A arte pode ser isto, mas não obrigatoriamente, pois o desequilíbrio é muito comum e não é ruim, pode fazer a arte e a humanidade andarem para frente.

Jornal Jovem - A cultura de massa e o constante apelo midiático pelo consumo se vêem refletidos nas expressões artísticas contemporâneas? Como?

Tomie - Hoje em dia é muito comum, afinal os artistas também estão expostos a estas manifestações, mas a boa arte pode passar ao largo ou até dialogando inteligente e poeticamente com elas.

Jornal Jovem - Como você vê o momento cultural nos dias de hoje? A arte, em termos gerais, está empobrecendo ou mais uma vez cumpre com seu papel de refletir a sociedade?

Tomie - Pode haver pequenos desvios, mas a arte está sempre refletindo a sociedade, mas também é refletida pela sociedade, ao se colocar à sua frente.

Jornal Jovem - O que falta atualmente para  incentivar mais o gosto dos jovens pelas artes?

Tomie - O abstracionismo no Brasil, quando eu comecei a pintar, na década de 1950, era algo incompreensível, mas agora já está absorvido; com a arte de hoje, acontece algo parecido. Agora, como fazer a juventude ter mais gosto pela arte, pergunte à Stela Barbieri que dirige a ação educativa do Instituto Tomie Ohtake, que ela sabe destas coisas difíceis.

Jornal Jovem - Em linhas gerais, quais as principais diferenças que a arte moderna guarda com relação tanto à clássica quanto à contemporânea?

Tomie - A arte clássica conversa mais com a sociedade; na arte moderna a conversa é dentro da própria arte; na arte contemporânea é uma conversa muito mais cerebral.

 

Envie esta notícia para um amigo

 

 

 

 

 

 

CONFIRA
ENTREVISTA
VISITE
 
 Copyright © 2005-2017 Jornal Jovem - Aqui você é o repórter. Todos os direitos reservados.